terça-feira, 21 de setembro de 2010

Organizações abortistas louvam indicação de Michelle Bachelet como diretora da Agência Mulheres da ONU


Dra. Susan Yoshihara e Nicholas Dunn
NOVA IORQUE, EUA, 16 de setembro de 2010 (C-FAM/Notícias Pró-Família) — A nomeação da ex-presidenta chilena Michelle Bachelet como subsecretária geral de Mulheres da ONU recebeu elogios de várias organizações que defendem o aborto.
A Entidade das Nações Unidas para a Igualdade de Gênero e Conquista de Direitos das Mulheres, comumente conhecida como Mulheres da ONU, foi estabelecida em 2 de julho quando a Assembleia Geral aprovou por unanimidade uma resolução que consolidou quatro agências da ONU que trabalham nas questões das mulheres.
A criação dessa superagência para as questões das mulheres é atribuída em grande parte às iniciativas de pressão política da Campanha Global para a Reforma da Arquitetura de Igualdade de Gênero (CGRAIG), uma coalizão de promotores do aborto. A campanha da CGRAIG não só teve papel fundamental na fundação de Mulheres da ONU, mas a organização, de acordo com as reportagens, teve um controle muito grande no processo de seleção da nova subsecretária geral, fornecendo ao secretário geral da ONU uma lista de perguntas para as entrevistas das candidatas.
Charlotte Bunch, membra fundadora e principal defensora da campanha da CGRAIG, chama Bachelet de uma “escolha maravilhosa” que era uma das candidatas com que a CGRAIG sonhava. Além disso, a nomeação de Bachelet recebeu elogios da Federação de Planejamento Familiar dos EUA [a maior rede de clínicas de aborto dos EUA], que disse que a escolha feita por Ban ki-Moon “envia uma mensagem clara para a comunidade global de que os direitos e a igualdade das mulheres serão considerados no nível mais elevado da deliberação sobre direitos humanos internacionais”.
Bachelet estava sendo vista como a candidata com maior chance de vencer quando Mulheres da ONU foi estabelecida. Como presidente do Chile, Bachelet apoiava a “pílula do dia seguinte” que possivelmente induz ao aborto, e ela foi a co-presidenta honorária da Conferência Women Deliver, conferência pró-aborto patrocinada pela ONU, realizada em Washington, D.C.
A curta lista do secretário geral para possíveis diretoras para a nova organização estava carregada de mulheres que promovem o aborto. Rosario Manalo foi uma das membras que mais anos serviu no comitê polêmico que supervisiona a Convenção para a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres (cuja sigla em inglês é CEDAW). Durante seu mandato, o comitê da CEDAW pressionou mais de 90 países a liberalizar suas leis de aborto.
Outra candidata, Geeta Rao Gupta, foi presidenta do Centro Internacional para a Pesquisa sobre Mulheres (cuja sigla em inglês é ICRW). Rao Gupta entregou o documento altamente polêmico do ICRW na Conferência Women Deliver 2007 que colocou o alicerce para a campanha atual que afirma que não dá para se alcançar as Metas de Desenvolvimento do Milênio sem direitos internacionais de aborto. Rao Gupta é importante membra da Fundação Bill e Melinda Gates.
Radhika Coomaraswamy, uma candidata que agora é a Representante Especial da ONU para as Crianças e Conflitos Armados, fez campanhas bem-sucedidas em prol da legalização do aborto em sua pátria, o Sri Lanka. Como Inspetora Especial da ONU para questões de violência contra as mulheres, ela lidou com a lei da Nicarágua que proibia o aborto, dizendo que “atos que deliberadamente impedem as mulheres de fazer aborto constituem violência contra as mulheres ao sujeitá-las a excessivas gravidezes e partos contra a vontade delas, resultando em riscos maiores e preveníveis de mortalidade e morbidade materna”.
Mulheres da ONU receberá financiamento do orçamento das quatro agências que estão se fundindo, aproximadamente 220 milhões de dólares, e todos os 192 países membros também contribuirão para esse orçamento. A Campanha da CGRAIG anunciou que está fazendo pressões políticas para aumentar o financiamento para 1 bilhão de dólares dentro dos próximos anos.
Esse artigo foi publicado com a permissão de www.c-fam.org
Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com
Veja também este artigo original em inglês: http://www.lifesite.net/ldn/viewonsite.html?articleid=10091607
Copyright © LifeSiteNews.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Notícias Pró-Família”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com em português tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para “NoticiasProFamilia.blogspot.com”. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Notícias Pró-Família o LifeSiteNews.com que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário