sexta-feira, 9 de março de 2012

Diante da Cruz




Ó Deus me sondas, conheces-me
Mesmo quando falho, eu sei me amas
Estás presente, a me cercar
Em todo tempo eu sei, me amas
Eu sei, me amas


Prostro-me diante da cruz
Vejo o sangue de Jesus
Nunca houve amor assim
Sobre a morte já venceu
Sua glória o céu encheu
Nada irá me separar

Tu és meu Guia, meu Protetor
Tua mão me firma
Eu sei me amas
Eu sei me amas


Prostro-me diante da cruz
Vejo o sangue de Jesus
Nunca houve amor assim
Sobre a morte já venceu
Sua glória o céu encheu
Nada irá me separar

O véu rasgou, o caminho abriu
Tudo consumado está
O véu rasgou, o caminho abriu
Tudo consumado está
E quando tudo, se acabar, estarei seguro
Pois sei, me amas
Pois sei, me amas


Prostro-me diante da cruz
Vejo o sangue de Jesus
Nunca houve amor assim
Sobre a morte já venceu
Sua glória o céu encheu
Nada irá me separar

Nenhum comentário:

Postar um comentário